Informações Úteis

Área total 8.806km2
População Cerca de 4 milhões de habitantes
Código Internacional +61 39

Custo de Vida

Fonte: Numbeo
Real Dólar Euro
Restaurante Ver Mais
Refeição (em local barato) $ 14,08
Fast food (combo) $ 7,56
Água $ 2,45
Cerveja (garrafa) $ 6,57
Refrigerante (lata) $ 2,87
Mercado Ver Mais
Pão (tipo francês) $ 2,70
Ovos (dúzia) $ 3,92
Queijo Local (1kg) $ 10,78
Maço de cigarro $ 17,83
Transporte Ver Mais
Passagem local (só de ida) $ 3,38
Táxi (corrida de 1km) $ 1,72
Gasolina (1 litro) $ 1,42
Passe Comum Mensal $ 121,08
Diversão
Cinema $ 16,90
Academia (mensal) $ 70,15
Outros serviços
Energia, Gás, Água, Lixo (para ap. 85m2) $ 185,05
Internet (6Mbps ADSL - Sem limite) $ 58,40

Melbourne

Melbourne
4 19 0 comentários
Obrigado pelo seu voto.

Jovem e vibrante, carregada de estilo e sofisticação. Em resumo, essa é a essência de Melbourne, a capital de Victoria (o menor estado do continente) e a segunda maior metrópole da Austrália. Ou seja, arrume as malas porque a diversão é garantida em um dos principais destinos turísticos da terra do canguru.

Considerada uma das cidades australianas mais fáceis de conseguir trabalho, Melbourne lembra a frenética São Paulo, por ser o centro dos negócios, dos eventos culturais e esportivos. E é onde está a arquitetura mais arrojada do país. Embora ainda preserve o charme das construções vitorianas da colonização inglesa, do navegável rio Yarra que corta a cidade e dos diversos jardins e parques verdes existentes.

Mais do que conhecer novos ares e culturas, o bom mesmo de viajar é fazer amigos. E, se é disso que você gosta, está indo para o canto mais certeiro do globo. Integração é a palavra-chave em Melbourne, pois um em cada quatro habitantes veio de outro país.

Além disso, por esbanjar beleza e qualidade de vida acima da média, foi eleita em 2002 pela conceituada revista The Economist como o melhor lugar do mundo para viver. Só de ler ou ouvir falar, já dá para sentir o gostinho multicultural que Melbourne ostenta. Para experimentá-la por inteiro, só mesmo in loco!

Cultura

Cosmopolita, Melbourne disputa com Sidney o título de capital cultural da nação. Afinal, boa parte de sua população nasceu fora dos limites geográficos do país de colonização britânica. Sem contar os milhares de jovens estrangeiros que lá chegam para estudar inglês e pós-graduação.

As universidades da cidade reinam absolutas. E são três as mais importantes: Melbourne University, Monash University e La Trobe University. Com um centro académico de excelência, vários eventos culturais acontecem no decorrer do ano.

Fazem parte da vibrante programação anual espetáculos artísticos, de teatro, exposições, festivais e até grandes competições esportivas. De Feira Erótica a Grand Slam de Tênis e GP de Fórmula 1, até o Festival Internacional de Artes, em outubro, há de tudo um pouco.

Os amantes da arte podem se esbaldar em museus, galerias e livrarias, sobretudo das regiões de Southbank e do centro, onde também é possível observar o contraste entre o antigo e o novo da arquitetura. O Museu de Melbourne, por exemplo, é o maior da Austrália e um dos mais modernos do mundo. Apresenta coleções que abrangem diferentes aspectos da vida humana, incluindo ciência e tecnologia até temas ligados à mente e o corpo do homem, sem deixar de lado o legado da cultura aborígine.

A cidade ainda brilha na cena musical, pois é lá que muitas bandas internacionais fazem a sua parada obrigatória pela Oceania. Com trilha sonora de primeira linha, a galera vai ao delírio!

Comida

Melting pot. O quê? Isso mesmo, melting pot é o nome que os próprios nativos dão para a variedade gastronômica de Melbourne. Há mais de três mil restaurantes, cafés e bares de 70 nacionalidades diferentes. Dá para agradar a todos os gostos. E até churrascaria brasileira existe. Bom negócio é procurar as casas com bufê self-service à vontade, por preço único e sobremesa inclusa. Há muitas delas para comer até não caber mais.

Por outro lado, aproveite o cardápio europeu da cidade e não espere uma viagem à Itália para degustar uma boa massa. Basta ir lá ao Little Italy, no Carlton. Se preferir outra coisa, alguns quarteirões à frente rola de matar a fome com menu francês, tailandês, japonês, indiano, afegão ou espanhol. Uma boa dica de restaurante é o Flower Drum, famoso pela quase ausência total de janelas em suas instalações e, mais ainda, pelos pratos de frutos do mar frescos que serve.

Já na parte leste da metrópole, no bairro Southbank, se encontram muitos cafés e mais um bocado de restaurantes. Os cafés, aliás, são figurinha carimbada na cidade. O bairro praiano de St. Kilda, por exemplo, possui uma rua só de cafeterias elegantes, com agradáveis mesinhas na calçada. Outra área conhecida como federation Square, na rua Brunswick, também está cheia delas.

A comilança e variedade de pratos se estendem pelo tradicional mercado Queen Victoria, um dos maiores do mundo e, há 130 anos, um dos preferidos dos chefs australianos. Em março, a fartura é geral, pois acontece lá um badalado festival de comida e vinho. Bom apetite!

Noite

night_life_180

A colonização em Melbourne foi inglesa, certo? Portanto, a mais badalada atração noturna só poderia ser: os pubs! Há quase um por esquina. Todos sempre lotados no pós-expediente, sobretudo de sexta-feira. Mas chegue cedo, pois os bares encerram às dez da noite, ou até antes, se vacilar.

A rede Irish Murphy’s, por exemplo, possui seis pubs no país. Não deixe de provar as cervejas nacionais: Tooheys e Carlton. Como está repleta de jovens, Melbourne se agita em festas e nas pistas das boates. O animado cassino Crown, em Southbank, é mais uma alternativa de diversão e entretenimento completo madrugada adentro.

Passeios

Os momentos de puro lazer em Melbourne apresentam variados níveis de adrenalina. E nos arredores da cidade há atrações interessantíssimas. Para um contato maior com a natureza, a pedida é a ilha Phillip, a pouco mais de duas horas de carro a sudoeste. Lá, o turista vê de perto colônias de pinguins, coalas, cangurus, focas e um mar bom para pescarias.

Pouco mais à frente e na mesma direção do arquipélago, fica a Great Ocean Road, um dos locais mais bonitos na Austrália. Trata-se de uma estrada à beira-mar, de onde se avistam falésias que recortam a costa formando arcos e cavernas marinhas. Os pilares que emergem do mar como estátuas gigantes são conhecidos como os 12 apóstolos (foto) e valem uma foto para a posteridade.

Depois de um dia sossegado admirando animais e paisagens, no outro as energias estão recarregadas para pegar uma onda perfeita em Bells Beach. A praia australiana mais famosa entre os surfistas situa-se a uma hora e meia ao sul da cidade. Já no inverno, a nitroglicerina em vez de despencar com a temperatura, aumenta, mas desta vez no gelo. Mt.Buller é uma estação de esqui e esportes na neve, localizada a nordeste de Melbourne e na fronteira com o estado de New South Wales. Todo o equipamento para esquiar pode ser alugado no local por preços razoáveis.

Depois de conhecer os encantos do entorno, aproveite a própria cidade. Se tiver tempo, faça na sequência o barato circuito do Aquário, Zoológico e Jardim Botânico de Melbourne. Outros parques, como o Luna, merecem visita e até um piquenique no jardim.

Para ficar nas alturas, suba o prédio conhecido como Melbourne Observation Deck. O edifício de 260 metros de altura tem uma vista incrível de 360 graus da metrópole. Na descida, embarque num passeio de barco pelo rio Yarra, ou de trem a vapor pelos campos do norte.

Ao final, reserve gás para bater perna pelo agitado centro da cidade. A região reúne diversos bulevares, empresas, museus, cinemas, teatros, shoppings, restaurantes, cafés e igrejas.

Transporte

 

Quem não aproveitou a época dos bondes no Brasil vai voltar ao passado durante a estada em Melbourne. Lá, o transporte mais eficiente é pelo tram City Circle, uma versão moderna dos bondes que circulam pelas ruas da cidade.

A bordo de um deles, é possível circular por todos os pontos diariamente até a meia-noite. E mais: na região do centro da cidade opera o tram vermelho. Ele é grátis e o turista pode subir e descer quantas vezes quiser, sem colocar a mão no bolso uma única vez.

Uma eficiente e barata rede de trens e ônibus completa a oferta de transporte público. Pois os táxis saem meio caros, em razão das grandes distâncias a serem percorridas na cidade.

Compras

central_tower_180

Capital da moda australiana, Melbourne dita tendências por todo o país. E a cidade é tida como um grande templo das compras. São muitos os complexos de lojas que reúnem as badaladas grifes internacionais. Southgate e o Crown Intertainment Complex são bons exemplos disso. Mas espere até conhecer o Melbourne Central, com suas 180 lojas e uma arquitetura impressionante. O Queen Victoria Market, um complexo comercial do século 19, mas com uma fachada moderna de 1.300 painéis solares, é tão tentador aos consumidores quantos os outros estabelecimentos.

O comércio de rua também agrada em cheio aos visitantes. No centro, diversas galerias esbanjam luxo, glamour e são as mais frequentadas pelos locais. As ruas Swanston, considerada a principal da cidade, e Chapel possuem as vitrines e os balcões mais concorridos.

Informações Gerais

  • Clima: Melbourne experimenta todas as temperaturas em um único dia, caindo e subindo como montanha-russa. Coisa de louco mesmo! Não importa a estação, você pode sair de casa com o termômetro a 10º C ou chovendo forte, mas no meio da tarde a temperatura bate os 40º C. E esse tipo de variação climática acontece em qualquer época. Por isso, é sempre bom manter um casaco e guarda-chuva de stand by na mala.
  • Idioma: Inglês. Mas, por causa da imigração, é possível exercitar um pouco de chinês, grego, espanhol e italiano.
  • Moeda: Dólar australiano
  • Fuso: + 13h
  • População: Cerca de 4 milhões de habitantes
  • Código telefônico: 03

Dicas de Quem Já Foi

Seja o primeiro a comentar sobre esta cidade.

Dê a sua dica sobre Melbourne


Nome:
E-mail:
300 caracteres restantes
Código de Validação: