Clippings

Publicada em: 19/04/06

Canadá atrai cada vez mais brasileiros

Cursos de idiomas são a porta de entrada e muitos acabam se mudando para o país.

SÃO PAULO - O consultor de marketing João Mamede, de 33 anos, é um daqueles brasileiros que decidiram estudar o segundo idioma gastando menos do que na Europa ou Estados Unidos. Escolheu o Canadá, levando em conta também a segurança, as belezas naturais, o povo receptivo e a facilidade para obter o visto. Viajou em 1993, mas não parou aí.

Em 1998 voltou para estudar inglês e em 2001 ele decidiu ir de novo para fazer um MBA na York University, em Toronto, e ficar no país. Em 2003, mudou-se de vez para Montreal, onde fez cursos de francês no Centre Saint-Louis e na Université de Montréal. Está lá até hoje e não tem planos de voltar.

A atração que Mamede sentiu pelo Canadá parece ser forte sobre os brasileiros em geral. A procura por cursos de idiomas naquele país continua surpreendendo. Entre janeiro e março deste ano, 2.156 estudantes saíram do Brasil para fazer cursos intensivos, muito mais do que os 1.770 que foram na mesma época do ano passado. Detalhe: os números do ano passado são um recorde histórico, com um total de 10.722 brasileiros seguindo para o Canadá - em 2004 foram 7.339.

Tudo indica, portanto, que em 2006 outro recorde será quebrado. Esta tendência começou em 1996, quando o Canadá apareceu entre os destinos mais desejados, e há quatro anos o país mantém a hegemonia do mercado, oscilando com 40% a 45% das consultas às agências - deixando para trás Estados Unidos, Reino Unido e Austrália.


Vantagens

Segundo agentes de intercâmbio, a facilidade para obter o visto e o câmbio favorável são os fatores decisivos na escolha do Canadá. Depois de morarem por alguns meses, alguns estudantes acabam voltando como imigrantes, levando a família.

\"O Canadá oferece muitas vantagens para o estudante internacional. A primeira é a cotação do dólar canadense (R$ 1,87), que é mais em conta que o dólar americano (R$ 2,14) e o euro (R$ 2,70). Além disso, é um país verdadeiramente multicultural, que vê com bons olhos o estrangeiro e tem toda a infra-estrutura necessária para facilitar a adaptação de quem vem de fora\", afirma Mamede.

Em Toronto e Montreal, onde fez os cursos, ele encontrou diversas opções de lazer, como bares, teatros, restaurantes e museus. \"São cidades cosmopolitas. Gostei principalmente de Montreal, que tem um charme mais europeu e um estilo de vida festivo. De maneira geral, povo é acolhedor e tem simpatia pelos brasileiros.\"


Custos

Quando foi pela primeira vez, Mamede ficou hospedado na casa de um amigo que morava em Montreal. Na viagem seguinte, passou um mês em casa de família e depois alugou um apartamento para os próximos cinco meses. Segundo ele, o custo mensal de um imóvel na cidade sai entre C$ 350 e C$ 650 (R$ 654 e R$ 1.215), de kitinete a quarto e sala, dependendo da localização e do grau de requinte.

No dia-a-dia, ele calcula que gasta em média C$ 12 (R$ 22) para ir ao cinema, entre C$ 20 e C$ 40 (R$ 37 e R$ 74) para ir a bares - um copo de 500ml de cerveja varia de C$ 4 a C$ 6 (R$ 7 a R$ 11) -, restaurantes na faixa dos C$ 30 (R$ 56) e as compras mensais no supermercado giram em torno de C$ 300 (R$ 561).

Para manter contato como o Brasil, Mamede usa principalmente o telefone: \"Com um cartão pré-pago de C$ 5 (R$ 9), dá para falar umas três horas com São Paulo e Rio de Janeiro\". O site de relacionamentos Orkut e os e-mails também ajudam a encurtar a distância.


Comida e frio

Ana Carolina Moreno, de 23 anos, teve uma experiência um pouco diferente. Passou um ano do colegial fazendo High School no Canadá, morando em casa de família na cidade de Edson, província de Alberta, no Oeste do país. E se adaptou muito bem à vida dos canadenses.

A principal refeição para eles, conta Ana Carolina, é o café da manhã, com panqueca, torrada, waffler, geléia, suco e hashbrowns (uma espécie de batata cortada em cubos, pré-cozida e frita na hora). A comida típica é o poutine, (batata frita com queijo derretido e molho gravy). \"Carboidratos não são só gostosos para eles, mas necessários para suportar o frio\".

O maior frio canadense que ela experimentou foi de 37°C negativos. Para viver num freezer assim, ensina Ana Carolina, a vestimenta apropriada deve incluir uma ceroula, meia-calça de lã, outro par de meias quentes, várias camadas de camisetas e blusas, uma jaqueta grossa, cachecol, luvas, gorro e botas. \"Ainda assim, é possível ver canadenses vestindo só uma camiseta com 5°C lá fora.\"


Boca-a-boca

(...)

A escolha da cidade depende mais do perfil do estudante, segundo a diretora educacional da Central de Intercâmbio, Tereza Fulfaro. \"Dos 45% que vão para o Canadá, 30% preferem Toronto por causa do estilo mais urbano, com atividades culturais intensas. Vancouver é para aqueles que querem esportes radicais, como montanhismo e esqui. Montreal proporciona um clima mais europeu e menos americano\", diz.


Qualidade do ensino

A qualidade do ensino também atrai os estudantes para o Canadá. Os cursos de quatro a oito semanas são os mais procurados e geralmente realizados durante as férias escolares ou acadêmicas do Brasil. (...)

Antes de viajar, Ana Carolina tinha estudado cinco anos de inglês e, quando chegou no Canadá, os nativos se surpreenderam com a facilidade dela em se expressar no idioma. A fluência que ela adquiriu durante o High School foi principalmente na parte oral.

\"O que eu vejo dos outros intercambistas é que, mesmo com pouco conhecimento anterior, você volta falando bastante. Para as regras gramaticais, no entanto, é preciso estudar mais\", analisa.

Na volta ao Brasil, a experiência ajudou Ana Carolina a conseguir um emprego de professora de inglês em uma pré-escola. E ela não quer parar por aí: \"Hoje estou me preparando para fazer o Ielts, exame de fluência em inglês reconhecido internacionalmente, mas sem cursos extras.\"


Visto

No quesito burocracia, o Canadá deixa os concorrentes para trás. O visto pode ser obtido entre dois a sete dias, dependendo da necessidade da entrevista. Nos EUA, esse tempo pode se prolongar de 45 dias a três meses.

Para estudantes, o visto pode ser de residente temporário (cursos com duração inferior a seis meses) ou com permissão de estudos (superior a seis meses), segundo o Centro de Educação Canadense.

Para facilitar o processo, a instituição conta com o despachante consular, que organiza e envia a documentação necessária. A taxa do serviço é de R$ 100 e a relação de documentos varia conforme o tipo de visto.


Viagem

Os pacotes com o curso, mais hospedagem e passagens aéreas variam de acordo com a agência escolhida. Mas em todas elas o Canadá é o destino mais em conta.

As reservas devem ser feitas com no mínimo dois meses de antecedência, mas o recomendável é seis meses ou mais, principalmente se a escolha for para a alta temporada.

(...)


Acesse os links:

Centro de Educação Canadense
Informações sobre o Canadá (viagens, cursos, serviços ao estudante, etc.)
http://www.studycanada.ca/brazil/index.htm

Visto para o Canadá
http://www.studycanada.ca/brazil/visa.htm

Consulado do Canadá em São Paulo
http://www.dfait-maeci.gc.ca/brazil/sao-menu-pt.asp

Salão do Estudante
http://www.salaodoestudante.com.br/salao2006/index.htm

Belta
Reúne as principais instituições brasileiras que trabalham nas áreas de cursos, estágios e intercâmbio no exterior http://www.belta.org.br/default.asp



Voltar para Sala de Imprensa
Novidades CI